18/01/2012

TDT ou TAT (Trapalhada Atrás de Trapalhada)?


Aí está a Televisão Digital Terrestre com a bonita sigla de TDT, mas melhor seria chamar-lhe TAT, ou seja, Trapalhada Atrás de Trapalhada, tantas foram as singularidades deste processo.

E a primeira trapalhada, tem a ver com o início do processo, portanto, com o concurso e com as questões de concorrência. E esta trapalhada não tem só a ver com o facto de apenas duas empresas terem concorrido para a atribuição da licença, é que a PT/MEO que ganhou o concurso para operador de distribuição, tem interesse, ou antes, tem tudo a ganhar, na fragilidade da oferta da TDT.

O Governo diz que o processo foi transparente. Nós não sabemos se foi ou se não foi, o que sabemos é que a Associação Nacional de Municípios já requereu ao Ministério Publico a investigação do concurso exactamente por considerar que o interesse público não foi salvaguardado.

A segunda trapalhada, tem a ver com uma clara incompetência politica. Porque é disso mesmo que se trata, quando se exige à operadora que fosse assegurada a cobertura de uma percentagem de território em vez de se assegurar uma percentagem de população, é de incompetência politica que estamos a falar e não de outra coisa.

E o resultado está à vista, no meio do apagão começa a fazer-se luz: mais de um milhão de portugueses terão de pagar por uma antena, por um kit para TDT por satélite, pagar os cabos e a respectiva instalação, para terem acesso à televisão. Estamos portanto a falar de custos na ordem dos 120 euros, no mínimo.

Mas temos mais trapalhadas:

Enquanto no resto da Europa a introdução da TDT foi o canalizador de uma explosão de variedades de oferta televisiva, Portugal receberá a medalha digital pelo facto de ser o País europeu com menor número de canais nesta plataforma.

De facto com o modelo de TDT que está a ser prosseguido, estamos a perder uma oportunidade histórica para efectuar um salto gigantesco na qualidade e variedade do serviço televisivo prestado às populações.

Em todos os restante países europeus, a instalação da TDT veio trazer um aumento do número de canais. E em Portugal o que vamos ter? Vamos ter uma oferta de canais gratuitos exatamente igual à oferta analógica, estamos assim a desperdiçar as vantagens da tecnologia digital.

É que um dos aspetos fundamentais da transição para a TDT é a oferta de canais de serviço público, já que a cobertura universal deveria estar à partida assegurada e constituir um dado adquirido.

Mas assim não foi, assim não esta a ser e assim não será, se não houver uma alteração na postura do Governo.

Na verdade, o serviço público que o Estado deveria prestar, está a ser negado a mais de um milhão de portugueses.

E depois vem a ANACOM sossegar as famílias que vivem nas “zonas sombra”, e dizer: bem “ se não recebem por via terrestre podem receber por satélite”. Pois podem. Só que esta solução implica custos adicionais, que rondam os 120 euros por televisor, e estes custos têm de ser suportados pelas pessoas.

Na nossa perspetival impor custos adicionais aos cidadãos para acederem a um direito que é o de terem acesso à televisão em canal aberto, é inadmissível. Não pode ser.

O Governo tem de arranjar soluções. O Governo tem de mostrar que este processo da TDT foi motivado pela defesa do bem público, e não pela defesa do bem privado, nomeadamente das operadoras de telecomunicações móveis.

O que se exige é um modelo de TDT com cobertura total do território de forma a garantir um serviço público de televisão. Porque é completamente inaceitável que a TDT não chegue a todos e da mesma forma, porque não há portugueses de primeira e de segunda, e muito menos em matéria de acesso a direitos.

Até a informação foi uma trapalhada.

As campanhas de informação foram tardias e muito pouco claras com resultados desastrosos, face ao que seria desejável.

E a falta de informação está a levar a abusos por parte da operadora. Quem o diz é a DECO, que alertou para o facto da Portugal Telecom estar a cobrar ilegalmente para verificar a cobertura do sinal de TDT.

O Governo tem de fazer o seu trabalho: garantir um serviço público de televisão para todos e de forma igual.

Seria portanto sensato que o Governo ponderasse o adiamento do apagão, de forma a garantir que em matéria de acesso a direitos não há portugueses de primeira e portugueses de segunda.

artigo de opinião do Deputado do PEV, José Luís Ferreira, publicado aqui.

2 comentários:

CMatomic disse...

Com introdução da tecnologia TDT na Europa houve possibilidade de se tornar acessível mais conteúdos televisivos em livre acesso a População desses países com uma grande variedade de canais televisivos em acesso livre ,desde canais temáticos , regionais, locais , radio digital , Alta-definição,canais em 3d , interactividade, audio-descrição e etc.. de vantagens que esta tecnologia trás , mas é claro todas as transições têm custos , inclui a compra de novos equipamentos de receber o sinal, toda a Europa já o fez, Portugal é ultimo a fazer essa transição , e esta a fazer mal , pois em vez as pessoas continuarem com o serviço público esta a mudar para os serviços pagos , e isso pode fazer os Portugueses fiquem sem televisão de acesso livre , Nós Portugueses devemos exigir ao governo que a cobertura do sinal digital terrestre seja acessível a todos os Portugueses e custos de transição seja iguais para todos, o estado já vendeu um bem público que rendeu milhões de euros ao estado e esse bem público são as frequências dos canais analógicos, mas os governos "esqueceram" de dar benefícios que esta tecnologia permite como já referi a cima, também é incompressível como o próprio canal público da RTP não ter demonstrado interesse de disponibilizar todos os canais nacionais em acesso livre, a RTP tem num total 9 canais , e só 2 no continente + um nas regiões autónomas dos Açores e Madeira , para mim estes seriam os canais que já deveriam estar em sinal aberto na Televisão digital Terrestre RTP informação RTP memoria , RTP Madeira "ao nível nacional" RTP Açores "ao nível nacional" e também deveria estar em sinal aberto o Canal parlamento , não faz sentido canais públicos só estarem disponíveis em plataformas pagas.
Alguns dados da tdt na Europa .
TDT: Portugal vs Andorra, Portugal total de habitantes 10,561,614, Andorra total de habitantes 71.822 .
Numero de canais na TDT
Portugal 4 :)
Andorra 28 , dois são em Português a RTP internacional e a TVI internacional
0nde fica este pais
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Location_Andorra_Europe.png

TDT: Portugal vs Malta, Portugal total de habitantes 10,561,614, Malta total de habitantes 412,966 .
Numero de canais na TDT
Portugal 4 :)
Malta 6,
0nde fica este pais
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Location_Malta_EU_Europe.png

TDT: Portugal vs Estónia , Portugal total de habitantes 10,561,614, Estónia total de habitantes 1,342,409.
Numero de canais na TDT
Portugal 4 :)
Estónia 6 ,
0nde fica este pais
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:EU-Estonia.svg


TDT: Portugal vs Letónia , Portugal total de habitantes 10,561,614, Letónia total de habitantes 2.220.700.
Numero de canais na TDT
Portugal 4 :)
Estónia 5 + canal regional em acesso livre , e 43 num serviço pago
0nde fica este pais
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:EU-Latvia.svg

TDT: Portugal vs Eslovénia , Portugal total de habitantes 10,561,614,Eslovénia total de habitantes 2,050,189.
Numero de canais na TDT
Portugal 4 :)
Eslovénia 15 ,
0nde fica este pais que tantos canais têm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:EU-Slovenia.svg

part1

CMatomic disse...

part 2
O Futuro da nossa TDT e o acesso livre a televisão.
Em Portugal sempre surgiu varias desculpas para não se aumentar a oferta de canais livres agora surgiu a TDT temos oportunidade, mas querem é nos fazer de parvos , e quando alguns dizem que nosso mercado é pequeno , isso não têm argumentos, todos sabemos que os canais nos serviços de tv por subscrição passam publicidade , ao meu ver isso não devia ser permitido , as publicidade deveria ser exclusivo para os canais que emitem em sinal aberto , mas sabemos que as regras não existem e nem se apliquem aqui em Portugal e umas das culpadas é ANACOM e a ERC , tudo se faz para que se acabe com tv em acesso livre em Portugal , já alguém lembra-se , da radio digital que esteve activa em Portugal ? e que foi desmantelada por razões duvidosas apelida por DAB , parece que objectivo é querem fazer o mesmo com a TDT daqui alguns anos , pois 70% da população já têm tv paga e dos 30 % com processo da transição do analógico para digital, mais vão aderir aos serviços dos operadores de tv paga, o que poderá ficar 20 % da população que só recebe tv livre , e agora pergunto qual será o futuro da TDT ? com a entrega da TDT a PT ira a TDT evoluir ? para a TDT de 2 geração a chamada DVB-T2 , serão que vão mudar tecnologia daqui 10 anos para o DVB-T2 para uma população de 20 % ou menos nessa altura ? para mim isto foi muito bem orquestrado pela PT , com a conivência da ANACOM e da RTP,SIC,TVI , pois as estações televisivas já estão se a queixar pelo o preço que a PT esta pedir por transmitirem na TDT , acho que próximo argumento que vão dizer daqui alguns anos é a TDT têm baixas audiências e não é viável transmitirem em sinal aberto. Se a rede TDT deixar de existir o estado passará a pagar aos meos e zons para que as pessoas com meios económicos mais reduzidos possam ver tv , ao meu ver objectivo disto é que o estado entregue dinheiro público as empresas de tv por subscrição ao invés de ter um serviço livre. Não devemos deixar que isto aconteça e lutar por um serviço livre e diversificado com mais canais e com canais regionais e locais mais rádios só assim a TDT ser torna viável e com futuro.
Esta sereia uma proposta para uma TDT viável.

Mux A
RTP1 HD
RTP2
RTP Memoria
RTP Informação
ArTV (Assembleia da República TV)
Mux B
SIC HD
SIC kids
SIC Mulher
SIC Radical
SIC Notcias
Mux C
TVI HD
TVI 24
disponível espaço para mais 3 canais
Mux D
EuroNews
um canal de Musica Portuguesa ( como a futura RTP musica )
Um canal de documentários ( como o Odisseia ou Discovery channel )
AXN "payTV" (canal por assinatura)
Canal de payTV "tipo canal+"(desporto/cinema/etc..) em HD (canal por assinatura)
Mux E
( este mux seria dedicado a canais regionais e locais )
RTP Madeira "a nível nacional"
RTP Açores "a nível nacional"
Canal regional "Ex Tv Algarve"
canal local "Ex Tv Faro "
Mux F
canal "OTA" de actualização de tvs e terminais TDT
Serviços interactivos
Rádios "nacionais" em HD audio
(Um Mux equivale a uma única frequência , onde em analógico só podia existir um canal televisivo.)
No Total poderia ficar
20 canais televisivos de acesso livre + rádios "gratuitos" , e dois canais por assinatura.
Ainda a tempo para corrigir esta TDT e torna-la mais justa para todos.