27/10/2007

Poluição sonora

Portugal é o terceiro país da União Europeia mais afectado pela poluição sonora, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Até Dezembro, as Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto têm de apresentar em Bruxelas um ‘mapa de ruído’, com um levantamento pormenorizado dos níveis registados e ainda planos de redução da poluição sonora nos casos mais problemáticos.
Actualmente, existem zonas da cidade de Lisboa expostas a níveis de decibéis muito elevados, passíveis de causar problemas auditivos, segundo os especialistas.
Olhando para a ‘carta de ruído’, constata-se que nos bairros à volta do aeroporto da Portela, em Lisboa, e nos principais eixos rodoviários da capital os níveis chegam a ultrapassar os 60 decibéis (ponto a partir do qual o ruído pode causar problemas auditivos). As queixas dos moradores verificam-se também, por exemplo, em zonas no centro, como perto do Bairro Alto.
Segundo a OMS, o ruído provocado pelo trânsito automóvel causa mais mortes por ataques cardíacos e hipertensão, do que a poluição do ar.

Ver Metro 2007-10-26, p. 5

1 comentário:

usos disse...

Mais lamentável é não termos uma política e uma polícia efectiva na repressão de abusos causados por buzinas de automóveis, ruídos ábsurdos causados por aceleração desnecessária de motociclos, dentre outros, pessoas que saem a noite de bares e põem-se aos gritos debaixo das nossas janelas. Se telefonamos à PSP... oh... vê-se logo o quão despreparados são para tratar destes assuntos (dentre outros) além de serem extremamente desagradáveis e pouco profissionais. Já antes havia pensado e convivido com todo o tipo de deficiência, mas agora deparo-me com a deficiência moral e cívica.