04/06/2008

Avenida do Brasil sem estacionamentos

Os moradores da Avenida do Brasil admitem “cortar o trânsito” nesta via, protestando contra a “injustiça da Câmara que multa viaturas de forma sistemática” faltando alternativas para estacionamento.
A Comissão de Moradores da Avenida do Brasil acusa a CML de “total alheamento dos problemas no estacionamento, que afectam o bairro há mais de 20 anos”, tendo mesmo entregue propostas de alternativas mas que nunca foram ouvidos, revelou um porta-voz dos residentes.
A Comissão entende que nos últimos 20 anos os diferentes executivos “nada fizeram para melhorar as condições dos moradores”, e a “única resposta é a multa apesar das sugestões dos moradores” para disciplinar o trânsito na zona.
Os moradores entregaram no mês passado uma petição com mais de 1.000 assinaturas na CML, solicitando que as autoridades parassem de multar as viaturas estacionadas em cima do passeio, porque não existem alternativas ao parqueamento, apesar de reconhecerem a violação à lei.
Os moradores reclamam “a requalificação das traseiras dos prédios (logradouros) que estão ao abandono, com barracas e construções ilegais, lixos além de serem utilizadas por toxicodependentes”, o que é foco de criminalidade.
A Comissão de Moradores também sugeriu à CML “o estacionamento em espinha”, em ambos os lados da via, o aproveitamento de “áreas ao abandono que podem ser utilizadas como locais de estacionamento” e que os passeios “não servissem para stands de automóveis” 1.
Os moradores, defendem que a solução do problema do estacionamento tem que ser visto globalmente, propondo nesse sentido um conjunto de soluções, entre as quais, requalificar os logradouros, nomeadamente no Bairro das Caixas, aproveitando-os para estacionamento de automóveis e outras funções mais úteis à população; introduzir o estacionamento em espinha na Avenida do Brasil; repôr a legalidade no uso das garagens colectivas dos edifícios; acabar com a transformação dos passeios em stands de automóveis; aproveitar as áreas expectantes para parques temporários de estacionamento; e, finalmente, preservar e melhorar os espaços verdes existentes 2.

1. Ver Lusa doc. nº 8399707, 03/06/2008 - 13:53
2.Ver
http://jornalpraceta.no.sapo.pt/index.html

1 comentário:

miguel disse...

Quem quer ter carro, que arranje lugar para ele.
Há tanta gente que nem espaço para morar tem, e este gente quer que as autoridades aranjem um espacinho para meterem o popó.

Indecoroso